Programação

  • programa

    Universidade de São Paulo

    Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

    Departamento de Ciência Política


    Democracias e autoritarismos: novos e velhos confrontos

    https://edisciplinas.usp.br/course/view.php?id=71777


    Jean Tible (jeantible@usp.br)

    Quartas-feiras, 14-18h – sala 105


    1989. Uma onda de otimismo atravessa os círculos oficiais do poder quanto ao presente e futuro: um novo consenso estaria emergindo, democrático e capitalista, com o fim e a dissolução do bloco socialista. Irrompe um poderoso relato do triunfo da chamada democracia liberal – alguns mais exaltados chegam até a falar de fim da história. A partir do término da Guerra Fria, todos teriam se transformado em democratas.

    Os acontecimentos recentes mostraram o quase total equívoco dessa perspectiva e a parca vitalidade da democracia (representativa). Por um lado, tais leituras e posições subestimaram, de forma drástica, um deslocamento liberal anterior, sua virada a partir dos anos 1970 (reforçada nas décadas seguintes) de retirada de direitos e acentuação das desigualdades. Ocultaram também o crescente caráter repressivo de todos os regimes políticos contemporâneos – uma guerra contra seus cidadãos, segundo estudo de Bernard Harcourt. Por outro lado, percebe-se uma reorganização das correntes políticas de extrema-direita e anti-democráticas. É nesse contexto que uma ampla literatura sobre a “crise da democracia” tem florescido.

    Em tempos de renovação dos autoritarismos em escala global, como compreender e apreender os presentes enfrentamentos entre vetores democráticos e de dominação? Isso envolve analisar uma longue durée desses confrontos, a partir de embates entre processos de colonização e formas de organização política menores (no sentido deleuziano), que geralmente não são consideradas como parte da linhagem democrática, talvez por serem protagonizadas por coletividades não habituais do cânone político “ocidental”: indígenas, quilombolas, piratas, dentre outros.

    As primeiras décadas do século passado são decisivas para esse debate e uma atenção especial lhe é dedicada. O início do século 20 é marcado pelas revoluções dos conselhos (“tesouro perdido da tradição revolucionária”, de acordo com Hannah Arendt) na Rússia em 1905/1917 e na Alemanha em 1918-1919, inspirando ou reatualizando criações políticos no mundo todo. Uma poderosa contra-revolução rapidamente surge e um esforço de compreensão do fenômeno nazi-fascista é fundamental, assim como das oposições a essa ativação de forças e projetos de morte.

    Trata-se, também, de estudar essas tensões nos tempos contemporâneos. Situamos o momento inaugural desse período no evento-1968 e sua revolução global. Como resposta, (re)nasce um liberalismo crescentemente autoritário, a partir do diagnóstico de que as sociedades estariam se tornando ingovernáveis. No contexto latino-americano isso nos remete às articulações, históricas e presentes, entre fragilidades democráticas, alto nível de violência contra os povos e opressão econômica. Por fim, após a crise financeira de 2008, vivemos uma década de “insurreições democráticas” (David Graeber) nas quais esses choques entre ativação democrática e respostas repressivas se reatualizam e seguem seu curso.


    Avaliação

    Trabalho de fim de curso e seminários ao longo do semestre


    21 de agosto

    apresentação – democracias e autoritarismos

    Benjamin, Walter. Sobre o conceito da história” (1940).

    The Combahee River Collective. Statement (1977).

    Comitato Operaio di Porto Marghera. A recusa do trabalho (1970).

    Dupuis-Déri, Francis. "Quem tem medo do povo? O debate entre Ágora-fobia Política e Ágora-filia Política". Revista Estudos Libertários (REL), UFRJ, vol.1, 2019.

    Foucault, Michel. "O Anti-Édipo: uma introdução à vida não fascista" (1975). Cadernos de Subjetividade, v. 1, n. 1 (1993) – São Paulo, p.197-200.


    Parte 1

    Antigos confrontos e democracias menores


    28 de agosto

    agenciamentos políticos ameríndios contra o Estado


    Clastres, Pierre. “A sociedade contra o Estado”. A sociedade contra o Estado. São Paulo, Cosac Naify, 2003 [1974].

    _____________. “Arqueologia da violência: a guerra nas sociedades primitivas”

    Arqueologia da Violência. São Paulo, Cosac Naify, 2004 [1981].


    Leitura complementar:

    Deleuze, Gilles e Guattari, Félix. “1227 – Tratado de Nomadologia: a máquina de guerra”. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo, Editora 34, 1997 [1980].

    Krenak, Ailton. “O Eterno Retorno do Encontro” em Novaes, Adauto (org.), A Outra Margem do Ocidente, Minc-Funarte/Companhia Das Letras, 1999.


    4 de setembro

    criações políticas afro-brasileiras


    Ferreira da Silva, Denise. “O evento racial ou aquilo que acontece sem o tempo” (2016). Em Adriano Pedrosa et. al. (orgs.) Histórias afro-atlânticas vol.2 Antologia. São Paulo, MASP, 2018.

    Price, Richard. “Palmares como poderia ter sido”; Vainfas, Ronaldo. “Deus contra Palmares: representações senhoriais e ideias jesuíticas” e Hunold Lara, Silvia. “Do singular ao plural: Palmares, capitães-do-mato e o governo dos escravos”. Em: Reis, João José e dos Santos Gomes, Flávio (orgs.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

    Nascimento, Abdias. “Documento n.7: O quilombismo”. Em O quilombismo: documentos de uma militância pan-africanistaI. São Paulo, Perspectiva, 2019 [1980].

    Nascimento, Beatriz. “Historiografia do Quilombo” (1977) e “O conceito de Quilombo e a Resistência Cultural Negra” (1985). Em Possibilidade nos dias de destruição (intelectual e quilombola). Organizada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana, Editora Filhos da África, 2018.


    Leitura complementar:

    Moura, Clovis. “Quilombos e Guerrilhas” e “República de Palmares”. Em Rebeliões da Senzala: quilombos – insurreições – guerrilhas. São Paulo, Anita Garibaldi, 2014 [1959].


    11 de setembro

    democracia pirata?


    Rediker, Marcus. Villains of All Nations: Atlantic Pirates in the Golden Age. London, Verso, 2004. capítulos 1-7


    Leitura complementar:

    Rediker, Marcus. Navio negreiro: uma história humana. São Paulo, Companhia das Letras, 2011 [2007]. capítulo 2.


    18 de setembro – sem sessão


    Parte 2

    Revolução dos conselhos, fascismo e anti-fascismo


    25 de setembro

    Conselhos e invenção democrática


    Haffner, Sebastian. A Revolução Alemã (1918-1919). São Paulo, Expressão Popular, 2018 [1969].


    Leitura complementar:

    Anweiler, Oskar. “The soviets of 1905” e “The soviets of 1917”. Em The Soviets: The Russian Workers, Peasants, and Soldiers Councils, 1905-1921. Pantheon Books, 1975.

    Luxemburgo, Rosa. “O que quer a Liga Spartakus” (1918). Em: Textos escolhidos (1899-1919). Isabel Loureiro (org.). São Paulo, Editora Unesp, 2018.

    Marx, Karl. A Guerra Civil na França. São Paulo, Boitempo, 2011 [1871].


    2 de outubro

    A ascensão fascista como contra-revolução


    Guérin, Daniel. Fascisme et Grand Capital. Paris, Libertalia, 2014 [1936/1945]. capítulos 1-5. traduções em espanhol e inglês.

    Zetkin, Clara. “Resolução sobre o fascismo”. Como nasce e morre o fascismo. São Paulo, Autonomia Literária, 2019 [1923].


    Desde o Brasil:

    Lacerda Moura, Maria. Fascismo: Filho dileto da Igreja e do Capital. Entremares, 2018 [1933].


    9 de outubro

    Ascensão fascista: massas em movimento

    com Fabio Zucker (USP)


    Canetti, Elias. Massa e Poder. São Paulo, Companhia das Letras, 2013 [1960].


    16 de outubro

    Lutas antifa: histórias do presente

    com Acácio Augusto (Unifesp)


    Mark Bray. Antifa: manual anti-fascista. São Paulo, Autonomia Literária, 2019. Introdução e Capítulo 1.


    Desde o Brasil:

    Fúlvio Abramo. A revoada dos galinhas verdes: uma história da luta contra o fascismo no Brasil. São Paulo, Veneta, 2014 [1984].


    23 de outubro – sem sessão (anpocs)


    Parte 3

    Enfrentamentos contemporâneos


    30 de outubro

    o longo 68 italiano


    Balestrini, Nanni e Moroni, Primo. L'orda d'oro 1968-1977, terza ed. Feltrinelli, 2003 [1997]. (traduções francesa e espanhola disponíveis). Capítulos 6-10.


    6 de novembro

    Liberalismo autoritário


    Chamayou, Grégoire. La société ingouvernable: une généalogie du libéralisme autoritaire. Paris, La fabrique, 2018. partes 1-3; 5-6.


    Leitura complementar:

    Maurizio Lazzarato. Le capital déteste tout le monde: fascisme ou révolution (cap. 1). Paris, Éditions Amsterdam, 2019. (publicação nas próximas semanas no Brasil pela n-1).


    13 de novembro

    Guerra contra a população

    com Silvio Rhatto


    Harcourt, Bernard. The Counterrevolution: How Our Government Went to War Against Its Own Citizens. Basic Books, 2018. Introdução, partes 3 e 4.


    Leitura complementar:

    Zuboff, Shoshana. “Big other: capitalismo de vigilância e perspectivas para uma civilização de informação”. Em: Fernanda Bruno et. al. Tecnopolíticas da vigilância: perspectivas da margem. São Paulo, Boitempo, 2018.


    desde o Brasil:

    Centelha. Ruptura. São Paulo, n-1 edições, 2019.


    27 de novembro

    Uma década de insurreições democráticas.


    Clover, Joshua. Riot. Strike. Riot: the new era of uprisings. London, Verso, 2016. introdução, capítulo 8 e 9.

    Pelbart, Peter Pál. “Por que um golpe atrás do outro? Ensaio sobre a assombração nacional”. Em Ensaios do assombro. São Paulo, n-1 edições, 2019.

    Perrone-Moisés, Beatriz. Festa e guerra. Tese de Livre-docência no Departamento de Antropologia FFLCH/USP, 2015.


    Leitura complementar:

    CrimethInc. Da democracia à liberdade: a diferença entre governo e autodeterminação. Facção Fictícia, 2017.


    • apresentação – democracias e autoritarismos

      apresentação – democracias e autoritarismos

      Walter Benjamin. "Teses sobre o conceito da história" (1940). Obras escolhidas. Vol. 1. Magia e técnica, arte
      e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo, Brasiliense, 1987, p. 222-232.
      https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3957253/mod_resource/content/1/Teses%20sobre%20o%20conceito%20de%20hist%C3%B3ria%20%281%29.pdf

      The Combahee River Collective Statement (1977) https://combaheerivercollective.weebly.com/the-combahee-river-collective-statement.html

      Comitato Operaio di Porto Marghera. A recusa do trabalho (1970) https://libcom.org/library/recusa-do-trabalho-comitato-operaio-di-porto-marghera

      Francis Dupuis-Déri. "Quem tem medo do povo? O debate entre Ágora-fobia Política e Ágora-filia Política". REVISTA ESTUDOS LIBERTÁRIOS (REL), UFRJ, VOL.1, 2019. 
      https://revistas.ufrj.br/index.php/estudoslibertarios/article/view/24084/13884

      Michel Foucault. "O Anti-Édipo: uma introdução à vida não fascista" (1975). Cadernos de Subjetividade / Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-
      SP. – v. 1, n. 1 (1993) – São Paulo, p.197-200.
      http://escolanomade.org/wp-content/downloads/foucault-prefacio-a-vida-nao-facista.pdf

      • agenciamentos políticos ameríndios contra o Estado

        28 de agosto

        agenciamentos políticos ameríndios contra o Estado


        Clastres, Pierre. “A sociedade contra o Estado”. A sociedade contra o Estado. São Paulo, Cosac Naify, 2003 [1974].

        https://we.riseup.net/assets/71282/clastres-a-sociedade-contra-o-estado.pdf
        https://www.ufrgs.br/ppgas/portal/arquivos/CLASTRES_Pierre_1988.pdf

        _____________. “Arqueologia da violência: a guerra nas sociedades primitivas”

        Arqueologia da Violência. São Paulo, Cosac Naify, 2004 [1981].

        http://www.marcoaureliosc.com.br/Pierre%20Clastres%20-%20Arqueologia%20da%20viol%C3%AAncia%20-%20antropologia%20politica.pdf

        Leitura complementar:

        Deleuze, Gilles e Guattari, Félix. “1227 – Tratado de Nomadologia: a máquina de guerra”. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo, Editora 34, 1997 [1980].

        https://historiacultural.mpbnet.com.br/pos-modernismo/Tratado_de_Nomadologia.pdf

        Krenak, Ailton. “O Eterno Retorno do Encontro” em Novaes, Adauto (org.), A Outra Margem do Ocidente, Minc-Funarte/Companhia Das Letras, 1999.

        https://pib.socioambiental.org/pt/O_eterno_retorno_do_encontro


        • criações políticas afro-brasileiras

          4 de setembro

          criações políticas afro-brasileiras


          Ferreira da Silva, Denise. “O evento racial ou aquilo que acontece sem o tempo” (2016). Em Adriano Pedrosa et. al. (orgs.) Histórias afro-atlânticas vol.2 Antologia. São Paulo, MASP, 2018.

          https://www.youtube.com/watch?v=kT7oiICeo2I

          Price, Richard. “Palmares como poderia ter sido”; Vainfas, Ronaldo. “Deus contra Palmares: representações senhoriais e ideias jesuíticas” e Hunold Lara, Silvia. “Do singular ao plural: Palmares, capitães-do-mato e o governo dos escravos”. Em: Reis, João José e dos Santos Gomes, Flávio (orgs.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

          Nascimento, Abdias. “Documento n.7: O quilombismo”. Em O quilombismo: documentos de uma militância pan-africanistaI. São Paulo, Perspectiva, 2019 [1980].

          https://baobavoador.noblogs.org/files/2016/01/O-QUILOMBISMO-Abdias-Do-Nascimento.pdf

          Nascimento, Beatriz. “Historiografia do Quilombo” (1977) e “O conceito de Quilombo e a Resistência Cultural Negra” (1985). Em Possibilidade nos dias de destruição (intelectual e quilombola). Organizada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana, Editora Filhos da África, 2018.


          Leitura complementar:

          Moura, Clovis. “Quilombos e Guerrilhas” e “República de Palmares”. Em Rebeliões da Senzala: quilombos – insurreições – guerrilhas. São Paulo, Anita Garibaldi, 2014 [1959].


        • democracia pirata?

          11 de setembro

          democracia pirata?


          Rediker, Marcus. Villains of All Nations: Atlantic Pirates in the Golden Age. London, Verso, 2004. capítulos 1-7


          Leitura complementar:

          Rediker, Marcus. Navio negreiro: uma história humana. São Paulo, Companhia das Letras, 2011 [2007]. capítulo 2.



        • Conselhos e invenção democrática

          25 de setembro

          Conselhos e invenção democrática


          Haffner, Sebastian. A Revolução Alemã (1918-1919). São Paulo, Expressão Popular, 2018 [1969].


          Leitura complementar:

          Anweiler, Oskar. “The soviets of 1905” e “The soviets of 1917”. Em The Soviets: The Russian Workers, Peasants, and Soldiers Councils, 1905-1921. Pantheon Books, 1975.

          Luxemburgo, Rosa. “O que quer a Liga Spartakus” (1918). Em: Textos escolhidos (1899-1919). Isabel Loureiro (org.). São Paulo, Editora Unesp, 2018.

          https://www.esquerdadiario.com.br/Rosa-Luxemburgo-O-Que-Quer-a-Liga-Spartakus

          Marx, Karl. A Guerra Civil na França. São Paulo, Boitempo, 2011 [1871].

          https://www.marxists.org/portugues/marx/1871/guerra_civil/index.htm

        • A ascensão fascista como contra-revolução

          2 de outubro

          A ascensão fascista como contra-revolução


          Guérin, Daniel. Fascisme et Grand Capital. Paris, Libertalia, 2014 [1936/1945]. capítulos 1-5. traduções em espanhol e inglês.

          Zetkin, Clara. “Resolução sobre o fascismo”. Como nasce e morre o fascismo. São Paulo, Autonomia Literária, 2019 [1923].

          https://www.marxists.org/portugues/zetkin/1923/08/fascismo.htm

          https://www.marxists.org/archive/zetkin/1923/06/struggle-against-fascism.html


          Desde o Brasil:

          Lacerda Moura, Maria. Fascismo: Filho dileto da Igreja e do Capital. Entremares, 2018 [1933].

          https://www.anarquista.net/wp-content/uploads/2013/12/Fascismo-filho-da-igreja-e-do-capital-de-Maria-Lacerda-de-Moura-Livro.pdf


        • Ascensão fascista: massas em movimento

          9 de outubro

          Ascensão fascista: massas em movimento

          com Fábio Zucker (USP)


          Canetti, Elias. Massa e Poder. São Paulo, Companhia das Letras, 2013 [1960]. capítulo 1 (a massa).

          _______. "Hitler por Speer" em A Consciência das palavras 



        • Lutas antifa: histórias do presente

          16 de outubro

          Lutas antifa: histórias do presente

          com Acácio Augusto (Unifesp)


          Mark Bray. Antifa: manual anti-fascista. São Paulo, Autonomia Literária, 2019. Introdução e Capítulo 1.


          Desde o Brasil:

          Fúlvio Abramo. A revoada dos galinhas verdes: uma história da luta contra o fascismo no Brasil. São Paulo, Veneta, 2014 [1984].


        • o longo 68 italiano

          30 de outubro

          o longo 68 italiano


          Balestrini, Nanni e Moroni, Primo. L'orda d'oro 1968-1977, terza ed. Feltrinelli, 2003 [1997]. (traduções francesa e espanhola disponíveis). Capítulos 6-10.

          https://www.traficantes.net/sites/default/files/pdfs/La%20horda%20de%20oro-TdS.pdf

          http://ordadoro.info/

        • Liberalismo autoritário

          6 de novembro

          Liberalismo autoritário


          Chamayou, Grégoire. La société ingouvernable: une généalogie du libéralisme autoritaire. Paris, La fabrique, 2018. partes 1-3; 5-6.


          Leitura complementar:

          Maurizio Lazzarato. Le capital déteste tout le monde: fascisme ou révolution (cap. 1). Paris, Éditions Amsterdam, 2019. (publicação nas próximas semanas no Brasil pela n-1).


        • Guerra contra a população

          13 de novembro

          Guerra contra a população

          com Silvio Rhatto


          Harcourt, Bernard. The Counterrevolution: How Our Government Went to War Against Its Own Citizens. Basic Books, 2018. Introdução, partes 3 e 4.


          Leitura complementar:

          Zuboff, Shoshana. “Big other: capitalismo de vigilância e perspectivas para uma civilização de informação”. Em: Fernanda Bruno et. al. Tecnopolíticas da vigilância: perspectivas da margem. São Paulo, Boitempo, 2018.


          desde o Brasil:

          Centelha. Ruptura. São Paulo, n-1 edições, 2019.


        • Uma década de insurreições democráticas

          27 de novembro

          Uma década de insurreições democráticas.


          Clover, Joshua. Riot. Strike. Riot: the new era of uprisings. London, Verso, 2016. introdução, capítulo 8 e 9.

          Pelbart, Peter Pál. “Por que um golpe atrás do outro? Ensaio sobre a assombração nacional”. Em Ensaios do assombro. São Paulo, n-1 edições, 2019.

          https://www.peixe-eletrico.com/single-post/2018/02/06/Por-que-um-golpe-atr%C3%A1s-do-outro

          Perrone-Moisés, Beatriz. Festa e guerra. Tese de Livre-docência no Departamento de Antropologia, FFLCH/USP, 2015.


          Leitura complementar:

          CrimethInc. Da democracia à liberdade: a diferença entre governo e autodeterminação. Facção Fictícia, 2017.

          https://crimepensar.noblogs.org/files/2017/11/democracia-livro-web.pdf

        e-Disciplinas - Ambiente de apoio às disciplinas da USP