• Bibliografia

    Sugestão de fontes bibliográficas

    Bibliografia inicial a ser complementada nas aulas:

    BARRICHELO, Luiz Ernesto George. Página Pessoal. LEBARRICHELO. Disponível em: <http://www.luiz.barrichelo.nom.br/default.htm>

    Benjamin, A. H. (organizador) Congresso Internacional de Direito Ambiental (3.: 1999: São Paulo, SP). Anais do 3. Congresso Internacional de Direito Ambiental: a Proteção Jurídica das Florestas Tropicais. Vol.1, São Paulo: IMESP, 1999. 534p.

    Brasil Legislação Ambiental Básica/Ministério do Meio Ambiente. Consultoria Jurídica. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

    Constituição da República Federativa do Brasil – texto constitucional promulgado em 05 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais e pelas Emendas Constitucionais de Revisão – Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas.

    DAROLT, M. R. Redes alimentares alternativas e novas relações produção-consumo na França e no Brasil. Ambiente & Sociedade, v. 19, n. 2, 2016.

    Fontaine, G.; Vliet, G. e Pasquis, R. (coordinadores)Políticas ambientales y gobernabilidad em América Latina. FLACSO, ISSRI, CIRAD. Quito, Ecuador, 2007. 331p.

    Machado, P. A. L. Direito Ambiental Brasileiro . Malheiros Editores Ltda: São Paulo, SP.

    MALUF, R. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, P. Alegre, v. 25, n. 1, p. 299-322, 2004.

    PEREZ-CASSARINO, J.; DAMASCENO, A. D. Agroecologia, construção social de mercados e a constituição de sistemas agroalimentares alternativos: Uma leitura a partir da rede ecovida de agroecologia. In: NIEDERLE, P. A., ALMEIDA, L. DE e VEZZANI, F. M. (orgs.). Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba, Kairós, 2013, p. 171-214

    Perlin, J. História das Florestas – a importância da madeira no desenvolvimento da civilização. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1992. 490p.

    Parreira, C. e Alimonda, H. (organizadores) Políticas Públicas Ambientais Latino-Americanas. FLACSO-Brasil, Editorial Abaré: Brasília, 2005. 200p.

    Ponting, C. Uma História Verde do Mundo/. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995. 648p.

    Rego, J. F. Estado e Políticas Públicas: a reocupação econômica da Amazônia durante o regime militar– São Luis: EDUFMA, Rio Branco: UFAC, 2002. 420p.

    Rocha, J. C. de S. Direito, democracia e meio ambiente: mediação de interesses pela ação estatal. Salvador: Superintendência de Recursos Hídricos; 2007. 40p.

    Ver também: vídeo no Fluxo: Boletim do Fim do Mundo – Quem Limpa a Lava Jato? Uma conversa com Augusto de Arruda Botelho 

    Artigos dos sites: Conjur, de Lenio Strek e do J.

    Revista PiauÍ,  EDIÇÃO 153 | JUNHO_2019, reportagem de  BERNARDO ESTEVES para coluna “questões brasileiras”: O MEIO AMBIENTE COMO ESTORVO

     

    Bibliografia complementar

    ALVES, Rubem. Conversas com quem gosta de ensinar. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1985.

    ______. Por uma educação romântica. Campinas, SP: Papirus, 2002.

    ARDOINO, Jacques. Abordagem Multirreferencial (Plural) das Situações Educativas e Formativas. In: BARBOSA, Joaquim Gonçalves (coord.). Multirreferencialidade nas Ciências e na Educação. São Carlos: Editora UFSCAR, 1998. p.24-41.

    BARBOSA, Joaquim Gonçalves (coord.). Multirreferencialidade nas Ciências e na Educação. São Carlos: Editora UFSCAR, 1998.

    BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Hucitec, 1999.

    BIZERRIL, Marcelo X.A.; FARIA, Doris S. Percepção de professores sobre a educação ambiental no ensino fundamental. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, RBEP, v. 82, n. 200/201/202, p.57-68. 2003.

    BOSQUET, Michel. Ecologia e liberdade. Lisboa: Editorial Vega. Coleção O Direito à Diferença, 1978.

    BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Diário de Campo. São Paulo: Brasiliense, 1982.

    ______. A pergunta a várias mãos. São Paulo: Cortez, 2003.

    ______. Pesquisa Participante. In: FERRARO JÚNIOR, Luiz Antonio (org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p. 257-266.

    ______. A canção das sete cores. São Paulo: Editora Contexto, 2005.

    BRANDÃO, Claudia Pereira. Projetos Político-Pedagógicos e a Qualidade da Educação: A Visão dos Seus Autores. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, 2003.

    BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Meio Ambiente e Saúde. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC, 1997.

    ______. Política Nacional de Educação Ambiental. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999.

    ______. Formando COM-VIDA. Ministério da Educação/ Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Coordenação Geral de Educação Ambiental. Brasília: MEC, 2004.

    ______. Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: conselhos escolares: uma estratégia de gestão democrática da educação pública. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Elaboração: Genuíno Bordignon. Brasília: MEC, SEB, 2004b.

    ______. Consumo Sustentável-Manual de Educação. Brasília: Consumers International MMA/MEC/IDEC, 2005a.

    ______. Programa nacional de educação ambiental – ProNEA/Ministério do Meio Ambiente, Diretoria de Educação Ambiental; Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental. 3ª edição. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005b.

    CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. A Política dos Outros. São Paulo: Brasiliense S.A., 1984.

    CARIDE, José Antonio; MEIRA, Pablo Ângel. Educação Ambiental e Desenvolvimento Humano. Lisboa: Horizontes Pedagógicos, 2001.

    CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004a.

    CROALL, S.; RANKIN, W. Conheça Ecologia. São Paulo: Proposta Editorial, 1981.

    DIAS, Genebaldo Freire. Ecopercepção: um resultado didático dos desafios socioambientais. São Paulo: Editora Gaia, 2004.

    FREIRE, Madalena. A paixão de conhecer o mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

    FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

    FREITAS, Luis Carlos de. Critica da Organização do Trabalho Pedagógico e da Didática. Campinas, SP: Papirus, 2005.

    GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Práxis. In: Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras (es) Ambientais e Coletivos Educadores. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria Executiva. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília, 2005.

    GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Meio Ambiente Ciência e Poder: diálogo de diferentes matrizes de racionalidade. In: SORRENTINO, Marcos (coord.). Ambientalismo e Participação na Contemporaneidade. São Paulo: EDUC/FAPESP, 2001. p. 135-161.

    González REY, Fernando Luis. Pesquisa Qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

    GUIMARÃES, Mauro. Educação Ambiental Crítica. In: Layrargues, P. P. (coord.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2004a. p.25-34.

    ______. A Formação de Educadores Ambientais. Campinas, SP: Papirus Editora, 2004b.

    ______. Intervenção Educacional: do “de grão em grão a galinha enche o papo” ao “tudo junto ao mesmo tempo agora”. In: FERRARO JÚNIOR, Luiz Antonio (org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p. 190-199.

    HERCULANO, Selene Carvalho. Do desenvolvimento (in)suportável à sociedade feliz. In: GOLDENBERG, Mirian (coord.). Ecologia, ciência e política. Rio de Janeiro: Editora Revan Ltda., 1992.

    LAGO, Antonio; PÁDUA, José Antonio. O que é Ecologia? São Paulo: Brasiliense, 1984.

    ______. (Re) Conhecendo a Educação Ambiental Brasileira. In: LAYRARGUES, Philippe Pomier (coord.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília, 2004. p.7-9.

    LEEF, Enrique. Epistemologia Ambiental. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

    ______. A Complexidade Ambiental. São Paulo: Cortez Editora, 2003.

    LUTZENBERGER, José. Ecologia – Do Jardim ao Poder. Porto Alegre: L &PM Editores, 1985.

    MACEDO, Roberto Sidnei. A Etnopesquisa crítica e multirreferencial nas ciências humanas e na educação. Salvador: Edufba, 2004.

    MARTINS, Leila Chalub. Educação Ambiental e subjetividade: o papel de quem aprende no ato de aprender. Texto fotocopiado, 2005.

    McCORMICK, John. Rumo ao Paraíso. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1992.

    MENEZES, Luis Carlos de. Razões e Elementos para uma Revisão do Projeto Pedagógico de Escola. Texto fotocopiado, elaborado por solicitação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, para o encontro de capacitação dos Assistentes Técnicos Pedagógicos das Diretorias de Ensino, 1999.

    MORIN, Edgar. A Cabeça Bem- Feita. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000a.

    ______. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez, 2000b.

    NEILL, Alexander S. Diário de um mestre-escola. São Paulo: Ibrasa, 1974.

    OLIVEIRA, Alessandra de; PORTUGAL, Simone; ROTUNDO, Raquel Aguiar do Marco; SILVA, Jorge Henrique. O melhor de mim para o melhor dos mundos - o que fiz até agora e como posso continuar. Material do Professor. São Paulo: Fundação Belgo/Grupo Arcelor, 2004.

    PLANO PILOTO. Disponível em: http://www.pt.wikipedia.org/wiki/plano_piloto. Acesso em 22 de agosto, 2007.

    RUSCHEINSKY, Aloísio (org.). Educação Ambiental – Abordagens Múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002.

    SAITO, Carlos Hiroo. Política Nacional de Educação Ambiental e Construção da Cidadania: Desafios Contemporâneos. In: RUSCHEINSKY, Aloísio (org.) e Colaboradores. Educação Ambiental – Abordagens Múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002. p.49-60.

    SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1997.

    ______. Um Discurso sobre as Ciências. Porto: Edições Afrontamento, 2002.

    SANTOS, Cláudia Coelho; COSTA-PINTO, Alessandra Buonavoglia. Potência de Ação. In: FERRARO JÚNIOR, Luiz Antonio (org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p.295-302.

    SATO, Michele. In: MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação – SEDUC. Projeto de Educação Ambiental – Preá: projeto ambiental escolar comunitário – PAEC, Caderno1. Secretaria de Estado de Educação – Cuiabá: Tanta Tinta, 2004.

    SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, Michèle e CARVALHO, Isabel Cristina de Moura (orgs.). Educação Ambiental: Pesquisa e Desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p.17-44.

    SAVIANI, Demerval. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. São Paulo: Cortez, 1991.

    SAWAIA, Bader. Participação Social e Subjetividade. In: SORRENTINO, M. (coord.). Ambientalismo e Participação na Contemporaneidade. São Paulo: EDUC/FAPESP, 2001. p.114-134.

    SCHUMACHER, E. F. O negócio é ser pequeno (small is beautiful). Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1977.

    SORRENTINO, Marcos. De Tbilisi a Thessaloniki: a educação ambiental no Brasil. In: QUINTAS, J. S. (org.). Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente, volume 3. Brasília: Ibama, 2000. p.105-114. (Coleção Meio Ambiente, Série Educação Ambiental).

    ______; FERRARO JÚNIOR, Luiz A.; PORTUGAL, Simone. Ambientalismo e Participação na Contemporaneidade: Avaliação de Processos Educacionais. In: Anais do Simpósio Comemorativo aos 10 anos do Curso de Especialização em Educação Ambiental e Recursos Hídricos. São Carlos: Rima Editora, 2005. p.112-116.

    TASSARA, Eda T. de O.; ARDANS, Omar. Intervenção Psicossocial: Desvendando o sujeito histórico e desvelando os fundamentos da educação ambiental crítica. In: FERRARO JÚNIOR, Luiz Antonio (org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p.201-216.

    THIOLLENT, Michel. Notas para o debate sobre pesquisa-ação. In: BRANDÂO, Carlos Rodrigues (org.). Repensando a Pesquisa Participante. São Paulo: Editora Brasiliense, 1999. p.82-103.

    TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. Pesquisa-Ação: compartilhando saberes; Pesquisa e ação educativa ambiental. In: FERRARO JÚNIOR, Luiz Antonio (org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p.267-276.

    ______. Contribuições para uma pedagogia crítica na educação ambiental: reflexões teóricas. In: LOUREIRO, Carlos Frederico B. A questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007. p.177-221.

    VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Ensino e Avaliação: uma relação intrínseca à organização do trabalho pedagógico. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Didática: o ensino e suas relações. Campinas, SP: Papirus, 1997. p.149-169.

    VELASCO, Sirio Lopez. Querer-Poder e os Desafios Socioambientais do Século XXI. In: RUSCHEINSKY, Aloísio (org.) e Colaboradores. Educação Ambiental – Abordagens Múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002. p.37-46.

    VIEZZER, Moema L. Pesquisa-Ação-Participante (PAP): Origens e Avanços. In: FERRARO JÚNIOR, Luiz Antonio (org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p.277-294.

    VIEZZER, Moema L.; OVALLES, Omar. Manual Latino-Americano de Educ-Ação Ambiental. São Paulo: Editora Gaia, 1995.

    VIOLA, Eduardo J. O movimento ambientalista no Brasil (1971-1991): da denúncia e conscientização pública para a institucionalização e o desenvolvimento sustentável. In: GONDENBERG, Mirian (coord.). Ecologia, ciência e política. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1992. p.49-75.