Programação

  • 07/05/2019 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

    Apresentação do Programa e dos conceitos que norteiam a disciplina.

    Organização dos seminários – definição dos grupos de trabalho

  • 14/05/2019 PREPARAÇÃO DO SEMINÁRIO I

    Objetivo: Discutir a teoria do trabalho na perspectiva Marxista que sustenta uma das visões da teoria do trabalho em saúde.

    1 – Buscar aproximação com a categoria trabalho segundo Marx  e dos processos de construção de valor.

    2 – Compreender os processos de produção, consumo, distribuição e troca segundo a teoria marxista.

    3 – Compreender a categoria trabalho sustentando a concepção de processo de trabalho em saúde. 


    Referências Bibliográficas:

    1 – MARX, K. O Capital. 5ª ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1980. Cap. 1, livro 1

    2. MARX, K. Para a crítica da economia política. Trad. José Artjur Giannotti e Edgar Malagodi. Coleção Os Pensadores. 1990

    3 - GONÇALVES, R.B.M. Prática de saúde: processo de trabalho e necessidades. In: AYRES, J.R.& SANTOS, L. (orgs) 

    Saúde, Sociedade e História / Ricardo Bruno Mendes-Gonçalves. São Paulo: Hucitec; Porto Alegre: Rede Unida. 2017. Capítulo 10, p. 298-339 http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/colecao-classicos-da-saude-coletiva/SaudeSociedadeeHistoria.pdf


    Itens 1 e 2 você pode encontrar em> http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.do?select_action&co_autor=130 

  • 21/05/2019 APRESENTAÇÃO – SEMINÁRIO I - TRABALHO E PROCESSO DE TRABALHO EM SAÚDE

    Cada grupo terá no máximo 55 minutos  para apresentação dos conceitos centrais de cada objetivo posto para o Seminário I. Teremos 15 minutos de intervalo e 1 hora para discusão

    • 28/05/2019 PREPARAÇÃO DO SEMINÁRIO II

      Objetivo: Discutir a constituição da sociedade do conhecimento, e os limites das teorias gerenciais e da teoria marxista para se pensar o processo de trabalho em saúde.

      1 – Discutir a constituição da sociedade do conhecimento e o lugar do trabalhador como produtor de valor

      2 – Compreender as transformações no processo produtivo e a sustentação teórico desses processos.

      3 – Compreender os processos de gestão coletiva do trabalho


      Referências Bibliográficas:

      1 - DRUCKER, P. Sociedade Pós-capitalista. São Paulo, Ed. Pioneira, 1995. Cap. 1,2,3,4,5.

      2 - MÉDICI, A.C.; SILVA, P.L.B. A administração flexível: uma introdução às novas filosofias de gestão. Rev. Adm. Públ., v.27, n.3, p.25-36, 1993. http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/8653/7385

      3 – CAMPOS, G.W.S. O método da roda e co-gestão de coletivos. São Paulo: Hucitec, 2000. Capítulo 1.

      Literatura Complementar:

      FELLI, V.E.A.; PEDUZZI, M. O trabalho gerencial em enfermagem. In: KURCGANT, P. (Coord). Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. p. 1 – 13.

    • 04/06/2019 APRESENTAÇÃO DO SEMINÁRIO II - TEORIA DO TRABALHO E AS TEORIAS GERENCIAIS

      Cada grupo terá no máximo 55 minutos  para apresentação dos conceitos centrais de cada objetivo posto para o Seminário II. Teremos 15 minutos de intervalo e 1 hora para discusão

      • 11/06/2019 PREPARAÇÃO DO SEMINÁRIO III

        Objetivo: Discutir a micropolítica do processo de trabalho e pensar o trabalho em saúde e a gestão do trabalho sem reproduzir as teorias gerenciais e do trabalho.

        Os alunos a partir das leituras indicadas prepararão questões para a discussão em sala de aula, visando se apropriar dos conceitos de micropolítica do processo de trabalho e o lugar do trabalhador nos processos de gestão do trabalho em saúde.

        Referências Bibliográficas: 

        1 – MALTA, D.C.; MERHY, E.E. A micropolítica do processo de trabalho em saúde - revendo alguns conceitos. Rev. Min. Enf., 7(1):61-66, jan./jul., 2003.

        2 - MERHY, E.E. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: MERHY, E.E.; ONOCKO, R. (Orgs.). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 1997. p. 71-112.

        3 – MERHY, E.E. Todos os atores em situação, na saúde, disputam a gestão e produção do cuidado. In: MERHY, E.E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 2ª ed. São Paulo: HUCITEC, 2005. Apêndice 3. p. 149-178.

        Literatura complementar:

        BAREMBLITT, G. Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. 2ª ed., Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, 1994

      • 18/06/2019 APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO III - TRABALHO EM SAÚDE E AS TECNOLOGIAS

        Roda de discussão sobre o objetivo posto para a discussão.

        • 25/06/2019 AULA PROFESSOR CONVIDADO E AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA

          Análise Institucional das Práticas Profissionais - Profa Dra Solange L’Abbate (UNICAMP – FCM)

          Avaliação da disciplina

          • BIBLIOGRAFIA

            ABRAÃO, A.L.S. Produção de subjetividade e gestão em saúde: cartografias da gerência. 2004. Tese [doutorado] – Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas.

            BAREMBLITT, G. Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. 2ª ed., Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, 1994.

            CAMPOS, G.W.S. Um método para a análise e co-gestão de coletivos. São Paulo: Hucitec, 2000.

            CECILIO, L.C.O. Colegiados de gestão em serviços de saúde: um estudo empírico. Cad. Saúde Pública. v. 26, nº 3, p. 557-566, 2010.

            CECILIO, L.C.O. A micropolítica do hospital: um itinerário ético-político de intervenções e estudo. [Tese de Livre Docência]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2007.

            DRUCKER, P. Sociedade Pós-capitalista. São Paulo, Ed. Pioneira, 1995.

            FELLI, V.E.A.; PEDUZZI, M. O trabalho gerencial em enfermagem. In: KURCGANT, P. (Coord). Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. p. 1 – 13.

            FEUERWERKER, L.C.M. Micropolítica e a política e a gestão em saúde. In: FEUERWERKER, L.C.M. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede Unida, 2014. p.63-117

            FORTUNA, C.M. Cuidando de quem cuida - notas cartográficas de uma intervenção institucional na montagem de uma equipe de saúde como engenhoca-mutante para produção de vida. Ribeirão Preto. 2003. Tese [doutorado]. Escola de enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

            GONÇALVES, R.B.M. Práticas de saúde: processos de trabalho e necessidades. Cadernos CEFOR. São Paulo, Prefeitura Municipal de São Paulo, 1992

            GONÇALVES, R.B.M. Prática de saúde: processo de trabalho e necessidades. In: AYRES, J.R.& SANTOS, L. (orgs) Saúde, Sociedade e História / Ricardo Bruno Mendes-Gonçalves. São Paulo: Hucitec; Porto Alegre: Rede Unida. 2017. Capítulo 10, p. 298-339 http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/colecao-classicos-da-saude-coletiva/SaudeSociedadeeHistoria.pdf

             IRIART, C.; MERHY, E.E. Disputas inter-capitalistas, biomedicalización y modelo médico hegemónico. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Epub January 23, 2017.https://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0808

            KAWATA, L.S.; MISHIMA, S.M.; CHIRELLI, M.Q.; PEREIRA, M.J.B. O trabalho cotidiano da enfermeira na Saúde da Família: utilização de ferramentas da gestão. Texto & Contexto. Enfermagem, v. 18, p. 313-320, 2009.

            MALTA, D.C.; MERHY, E.E. A micropolítica do processo de trabalho em saúde: revendo alguns conceitos. REME; jan-jul; 7(10):61-66, 2003.

            MARX, K. O Capital. 5ª ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1980. Cap. 1, livro 1.

            MARX, K. Para a crítica da economia política. Trad. José Artjur Giannotti e Edgar Malagodi. Coleção Os Pensadores. 1990.

            MATUMOTO, S.; MISHIMA, S.M.; FORTUNA, C.M.; PEREIRA, M.J.B.; ALMEIDA, M.C.P. Preparing the care relationship: a welcoming tool in health units. Revista Latino-Americana de Enfermagem (USP. Ribeirão Preto. Impresso), v. 17, p. 1001-1008, 2009.

            MÉDICI, A.C.; SILVA, P.L.B. A administração flexível: uma introdução às novas filosofias de gestão. Rev. Adm. Públ., v.27, n.3, p.25-36, 1993. http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/8653/7385

            MERHY, E.E. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: MERHY, E.E.; ONOCKO, R. Agir em saúde: um desafio para o público. SP, Ed. Hucitec, 1997. Cap. 2 , p.71-112.

            MERHY, E.E. O ato de governar as tensões constitutivas do agir em saúde como desafio permanente de algumas estratégias gerenciais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 4, nº 2, p.305-314, 1999. 

            MERHY, E.E. O ato de governar as tensões constitutivas do agir em saúde como desafio permanente de algumas estratégias gerenciais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 4, nº 2, p.305-314, 1999.

            MERHY, E.E. Saúde e direitos: tensões de um SUS em disputa, molecularidades. Saude soc., São Paulo, 2012. v.21, n.2, p. 267-279. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902012000200002&lng=pt&nrm=iso>. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902012000200002.

            MERHY, E.E.  Saúde. A cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.

            MOTTA, P.R. Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. 2.ed. Rio de Janeiro. Ed. Record, 2001.

            WEIRICH, C.F.; MUNARI, D.B.; MISHIMA, S.M.; BEZERRA, A.L.Q. O trabalho gerencial do enfermeiro na rede básica de saúde. Texto & Contexto. Enfermagem, v. 18, p. 249-257, 2009.


            • BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

              CAMPOS, G.W.S. Subjetividade e administração de pessoal: considerações sobre os modos de gerenciar o trabalho em equipes de saúde. In: MERHY, E.E.; ONOCKO, R. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 1997. Cap. 7, p. 229 – 266.

              CARVALHO, B.G. et al. Trabalho e intersubjetividade: reflexão teórica sobre sua dialética no campo da saúde e enfermagem. Rev Latino-Am Enferm, 2012; 20(1):19-26. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692012000100004

              CECÍLIO, L.C.O. Autonomia versus controle dos trabalhadores: a gestão do poder no hospital. Ciência e Saúde Coletiva. v.4, nº.2, p 315-330, 1999.

              MÉDICI, A.C.; SILVA, P.L.B. A administração flexível: uma introdução às novas filosofias de gestão. Rev. Adm. Públ., v.27, n.3, p.25-36, 1993.

              MERHY, E.E. et al. Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias em saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho em saúde. In: MERHY, E.E.; ONOCKO, R. Agir em saúde: um desafio para o público. SP, Ed. Hucitec, 1997. Cap. 3 , p.113 - 160.

              MERHY, E.E. O SUS e um dos seus dilemas: mudar a gestão e a lógica do processo de trabalho em saúde. In: TEIXEIRA, S.F. Movimento sanitário: 20 anos de democracia. SP, CEBES, 1997. Cap. 3, p.113 – 160.

              PAULA, A.P.P. Em busca de uma ressignificação para o imaginário gerencial: os desafios da criação e da dialogicidade. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 18-41, abr.  2016.

              PAULA, A. P. P. de. Administração Pública Brasileira Entre o Gerencialismo e a Gestão Social. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 1, jan-mar, p.36-49, 2005.


              • 02/07/2019 ENTREGA DO TRABALHO ESCRITO

                Apresentação do trabalho escrito em até 4 páginas

              e-Disciplinas - Ambiente de apoio às disciplinas da USP