Este curso pretende discutir as correntes teóricas que têm embasado os trabalhos arqueológicos desde o século XIX até os dias atuais. Isto será realizado a partir da leitura e discussão de textos teóricos e de trabalhos arqueológicos que exemplificam a relação entre a teoria e a interpretação dos dados arqueológicos
A partir dos dados gerados na última década pelo campo da arqueogenética apresentar os principais eventos de dispersão humana pelo globo desde o surgimento da espécie há 300 mil anos atrás.
Oferecer aos alunos conhecimentos introdutórios referentes ao processo de produção de dados empíricos e de construção de inferências e interpretações em contextos funerários arqueológicos, bem como aos processos tafonômicos relacionados a sepulturas humanas, ao reconhecimento e identificação óssea humana, às técnicas de estimativa de sexo e idade em esqueletos e às técnicas de escavação e coleta de remanescentes esqueléticos humanos, fornecendo conhecimento técnico-metodológico relacionado à escavação e à interpretação de estruturas funerárias.
1. Apresentar uma revisão detalhada da anatomia comparada hominóide (a superfamília Hominoidea incluí humanos, grandes símios e as respectivas linhagens extintas desde o último ancestral comum); 2. Discutir o potencial interpretativo dessa diversidade anatômica em relação a comportamento, gesto, função, ontogenia e filogenia; 3. Revisar o registro fóssil hominíneo (a tribo Hominini inclui humanos e respectivas linhagens ancestrais, mas excluí grandes símios) – de 7 milhões de anos atrás até o presente – de forma crítica a partir dos conhecimentos aprendidos com ênfase nas principais transições culturais que ocorreram ao longo desse período.

e-Disciplinas - Ambiente de apoio às disciplinas da USP