Programação

  • REUNIÃO COM OS COORDENADORES

    Os Professores José Antunes Rodrigues e Benedito H. Machado, coordenadores da disciplina, gravaram uma mensagem aos participantes via Google Meet. Acesse o arquivo correspondente nesse espaço para receber mais informações sobre a disciplina.

  • T1-Motilidade Gastrintestinal-Prof. Dr. Rafael S. Saia

    A T1 será ministrada via Google Meet-Prof. Rafael S. Saia

    Espera-se que os estudantes ao final das aulas e do período reservado para estudo, saibam discorrer sobre os seguintes assuntos: 

    1) Motilidade Gastrointestinal 

    A - músculo liso

    ·  diferenciar os tipos de fibra muscular: esquelética, lisa e cardíaca;

    ·  presença do músculo liso na parede gastrointestinal;

    ·  estrutura e organização bioquímica e molecular da fibra muscular lisa;

    ·  atividade contrátil do músculo liso unitário: etapas do acoplamento excitação-contração;

    ·  fontes de Ca+2 para contração muscular;

    ·  atividade elétrica do músculo liso e surgimento das ondas lentas;

    ·  mecanismos de regulação da contração do músculo liso: locais, neurais (intrínsecos/sistema nervoso entérico e extrínsecos/sistema nervoso autonômico) e hormonais;

    ·  principais neurotransmissores e hormônios envolvidos na regulação da contração do músculo liso gastrointestinal;

    ·  funções da atividade contrátil muscular na digestão e absorção dos nutrientes.

     

    B - mastigação

    ·  função da mastigação na digestão física dos alimentos;

    ·  dentes, receptores da cavidade oral e faringe;

    ·  principais músculos envolvidos no ciclo mastigatório;

    ·  mecanismo da mastigação: aferências, eferências e processamento central/núcleo mastigatório.

     

    C - deglutição

    ·  função do esôfago na condução do bolo alimentar;

    ·  estrutura muscular do esôfago e esfíncteres esofágicos (superior e inferior);

    ·  movimentos peristálticos do esôfago;

    ·  fases da deglutição (oral, faríngea e esofágica);

    ·  controle neural dos movimentos nas fases da deglutição: papel do núcleo da deglutição e sistema nervoso entérico;

     

    D - esvaziamento gástrico

    ·  estrutura anatômica e funcional do estômago;

    ·  camadas musculares da parede gástrica: músculo liso unitário;

    ·  atividade elétrica do músculo liso gástrico e regulação por mecanismos intrínsecos (sistema nervoso entérico) e extrínsecos (sistema nervoso autonômico);

    ·  atividade motora gástrica no período digestivo: peristalse e mistura (retropropulsão);

    ·  fatores que influenciam o esvaziamento gástrico: composição, hipertonicidade e pH do quimo;

    ·  mecanismos de regulação do esvaziamento gástrico: neurais (reflexos gástricos e enterogástricos) e hormonais (gastrina, colecistocinina, secretina).

    ·  motilidade gástrica no período interdigestivo.

     

    E - vômito

    ·  diferença entre vômito (emêse) e ânsia e suas funções fisiológicas;

    ·  principais estímulos eméticos;

    ·  fases do vômito (pré-ejetora e ejetora);

    ·  controle neural da gênese do vômito;

    ·  atividades motoras do sistema gastrointestinal durante o vômito.

     

    F - motilidade intestinal

    ·  funções da motilidade intestinal na digestão e absorção dos nutrientes;

    ·  estrutura da parede intestinal;

    ·  camadas musculares intestinais: músculo liso unitário;

    ·  controle neural por mecanismos intrínsecos (sistema nervoso entérico) e extrínsecos (sistema nervoso autonômico) da motilidade intestinal;

    ·  atividade motora do intestino delgado no período digestivo: movimentos de mistura (contrações segmentares) e peristaltismo (propulsão);

    ·  atividade motora do cólon no período digestivo: movimentos de mistura (haustrações) e propulsivos ("em massa");

    ·  mecanismos neurais de regulação da motilidade intestinal: intrínseco (reflexo intestino-intestinal) e extrínseco (reflexos gatro-ileal, gastro-cólico, duodeno-cólico e íleo-cecal) e hormonais (gastrina, colecistocinina, secretina, motilina).

    ·  motilidade intestinal no período interdigestivo.

     

    G - defecação

    ·  estrutura anatômica e funcional do reto e dos esfíncteres anais (interno e externo);

    ·  motilidade do cólon e fase de enchimento do reto;

    ·  mecanismo da defecação: aferências, eferências e processamento medular;

    ·  alterações da motilidade intestinal e seus efeitos na defecação.

     

    Bibliografia Recomendada: 

    ·  AIRES, M.M. et al. Fisiologia. 5ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.

    ·  GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 6ed. São Paulo: Elsevier, 2006.

    ·  BERNE, R.M.; LEVY, M.N et al. Fisiologia. 6ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

    ·  BRADLEY, R.M. Fisiologia Oral Básica. 1ed. São Paulo: Panamericana, 1981.

    ·  BRADLEY, R.M. Essentials of Oral Physiology. 2ed. Saint Louis: Mosby, 1995.

    ·  ANDERSON, D.J.; MATTHEWS, B. Mastigação. 1ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1982.

  • T2-Secreções Digestivas-Prof. Dr. Rafael S. Saia

    A T2 será ministrada via Google Meet-Prof. Rafael S. Saia

    Espera-se que os estudantes ao final das aulas e do período reservado para estudo, saibam discorrer sobre os seguintes assuntos:

    2) Secreções Gastrointestinais

     

    A - secreção salivar

    ·  estrutura das glândulas salivares maiores: parótida, submandibular e sublingual;

    ·  tipos de secreção salivar: mucosa e serosa;

    ·  funções da saliva na digestão mecânica e enzimática dos alimentos, formação do bolo alimentar, proteção e higiene da cavidade oral, etc;

    ·  composição da secreção enzimática salivar;

    ·  mecanismos celulares de formação e composição eletrolítica da secreção salivar;

    ·  papel dos ductos estriados no processamento tubular da saliva primária;

    ·  mecanismos neurais de regulação na formação da saliva (sistema nervoso autônomico) e vias eferentes dos núcleos salivares;

    ·  estímulos para salivação na fase cefálica da digestão: importância dos reflexos condicionados (Pavlovianos) e incondicionados;

     

    B - secreção gástrica

    ·  glândulas na mucosa gástrica e tipos celulares identificados nas glândulas (mucosas, parietais, principais, endócrinas);

    ·  composição da secreção gástrica: enzimática e eletrolítica;

    ·  correlação entre as células das glândulas gástricas e sua contribuição na formação do suco gástrico;

    ·  papel do muco produzido pelas células mucosa na proteção da parede gástrica;

    ·  mecanismos envolvidos na síntese do componente ácido do suco gástrico: atividade das células parietais ou oxínticas;

    ·  síntese de pepsinogênio pelas células principais ou pépticas;

    ·  células G: papel da gastrina na regulação da atividade das células parietais;  

    ·  mecanismos de regulação da secreção ácida gástrica: parácrinos, hormônios e neurotransmissores;

    ·  papel da secreção gástrica enzimática e ácida na digestão física e química do quimo gástrico;

    ·  alterações na função gástrica durante infecção por Helicobacter pylori.

     

    B - secreção biliar

    ·  estrutura anatômica e funcional do fígado, da vesícula biliar e do sistema hepatobiliar;

    ·  composição da secreção biliar e função de cada componente na digestão;

    ·  diferença entre a composição das secreções biliares: hepática e vesicular;

    ·  produção de ácidos e sais biliares: primários e secundários;

    ·  importância da circulação entero-hepática: mecanismos de reabsorção dos sais biliares;

    ·  papel da bile na emulsificação e absorção de lipídeos;

    ·  mecanismos de regulação da secreção biliar: neurais (sistema nervoso autonômico e entérico) e hormonais (secretina e colecistocinina);

    ·  mecanismos de regulação da contratilidade muscular da vesícula biliar;

    ·  papel da bile na digestão e absorção de nutrientes;

     

    C - secreção pancreática

    ·  estrutura das glândulas acinares pancreáticas: formação da secreção exócrina;

    ·  composição da secreção enzimática pancreática;

    ·  papel das enzimas do suco pancreático na digestão química do quimo gástrico;

    ·  mecanismos celulares da formação e composição eletrolítica da secreção pancreática;

    ·  mecanismos responsáveis pela regulação na formação dos componentes enzimático e aquoso da secreção pancreática: neurais (sistema nervoso autonômico) e hormonais (secretina, colecistocinina, dentre outros);

    ·  papel da secreção aquosa do suco pancreático na neutralização do pH do quimo gástrico e sua importância na digestão química;

    ·  secreção pancreática no período interdigestivo.

     

    Bibliografia Recomendada: 

    ·  AIRES, M.M. et al. Fisiologia. 5ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.

    ·  GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 6ed. São Paulo: Elsevier, 2006.

    ·  BERNE, R.M.; LEVY, M.N et al. Fisiologia. 6ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

    ·  JOHNSON, L.R. et al. Physiology of the Gastrointestinal Tract. 4ed. New York: Academic Press, 2006.

    • Dúvidas e Questões sobre secreções do TGI Fórum
      Restrito Disponível se: Você faz parte de T-RFI5776-3
    • T2 Secreções Digestivas Arquivo
      Restrito Disponível se: Você faz parte de T-RFI5776-3
  • T3-Digestão e Absorção-Prof. Dr. Rafael S. Saia

    A T3 será ministrada via Google Meet-Prof. Rafael S. Saia

    Espera-se que os estudantes ao final das aulas e do período reservado para estudo, saibam discorrer sobre os seguintes assuntos:

    3) Digestão e absorção de nutrientes, água e eletrólitos

    ·  princípio básico da digestão humana: hidrólise enzimática;

    ·  importância dos macronutrientes (carboidratos, lipídeos e proteínas) e micronutrientes na dieta humana (vitaminas e minerais);

    ·  digestão física e química em cada segmento do TGI: cavidade oral, esôfago, estômago, intestino delgado e grosso;

    ·  epitélio intestinal: barreira para absorção dos produtos de hidrólise enzimática;

    ·  tipos de transporte através do epitélio intestinal: trans e paracelular;

    ·  fluxo sanguíneo intestinal;

     

    A - carboidratos

    ·  principais carboidratos da dieta humana: mono-, di- e polissacarídeos;

    ·  digestão enzimática dos carboidratos: cavidade oral (α-amilase salivar) e intestino delgado (α-amilase pancreática);

    ·  produtos finais da digestão dos polissacarídeos: monossacarídeos (glicose, frutose e galactose);

    ·  alterações na digestão de carboidratos: intolerância à lactose;

     

    B - proteínas

    ·  aminoácidos e principais proteínas da dieta humana;

    ·  digestão enzimática das proteínas: estômago (pepsina) e intestino delgado (tripsina, quimiotripsina, carboxipeptidase, elastase, etc.);

    ·  produtos finais da digestão das proteínas: aminoácidos livres, di, tri e tetrapeptídeos;

     

    C - lipídeos

    ·  principais lipídeos da dieta humana: triacilgliceróis, fosfolipídeos e colesterol;

    ·  ação da bile na emulsificação de lipídeos em micelas;

    ·  digestão enzimática dos lipídeos: cavidade oral e estômago (lipases ácidas) e intestino delgado (lipase pancreática, fosfolipase, colesterol-éster-hidrolase, etc.);

    ·  produtos finais da digestão dos lipídeos: colesterol, glicerol, ácidos graxos livres e diacilgliceróis;

     

    D – absorção de macronutrientes

    ·  mecanismos de absorção dos produtos finais da digestão de carboidratos pelo intestino;

    ·  mecanismos de absorção dos produtos finais da digestão de proteínas pelo intestino;

    ·  mecanismos de absorção dos produtos finais da digestão de lipídeos pelo intestino;

    ·  mecanismos de reabsorção de sais biliares pelo intestino;

    ·  mecanismos neurais de regulação da absorção intestinal;

     

    E – absorção de micronutrientes

    ·  tipos e classificações das vitaminas: lipossolúveis e hidrossolúveis;

    ·  mecanismos de absorção das vitaminas lipossolúveis pelo intestino: vitaminas A, D, E e K;

    ·  mecanismos de absorção das vitaminas hidrossolúveis pelo intestino: folato, vitamina B12, vitamina C, etc.

    ·  alterações na absorção de nutrientes: doença celíaca.

     

    F – absorção de água e eletrólitos

    ·  volume de fluidos absorvidos diariamente pelo TGI: capacidade absortiva;

    ·  absorção no TGI: epitélio intestinal;

    ·  tipos de transporte de água e íons através do epitélio intestinal: vias trans e paracelular;

    ·  interdependência entre a absorção de água e íons: formação de gradientes osmóticos;

    ·  mecanismos de absorção dos principais eletrólitos pelos enterócitos: sódio, potássio, cloreto, bicarbonato, cálcio, fosfato, ferro, etc;

    ·  alterações na absorção de água e íons nos enterócitos: diarreia.

     

    Bibliografia Recomendada: 

    ·  AIRES, M.M. et al. Fisiologia. 5ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.

    ·  GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 6ed. São Paulo: Elsevier, 2006.

    ·  BERNE, R.M.; LEVY, M.N et al. Fisiologia. 6ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

    ·  JOHNSON, L.R. et al. Physiology of the Gastrointestinal Tract. 4ed. New York: Academic Press, 2006.

    • Dúvidas e Questões sobre digestão e absorção Fórum
      Restrito Disponível se: Você faz parte de T-RFI5776-3
    • T3 Digestão e absorção de macro e micronutrientes Arquivo
      Restrito Disponível se: Você faz parte de T-RFI5776-3
    • Questão 2 Arquivo
      Restrito Disponível se: Você faz parte de T-RFI5776-3
  • T8-Circulação Arterial, Venosa e Microcirculação-Prof. Dr. Helio C. Salgado

e-Disciplinas - Ambiente de apoio às disciplinas da USP