Bacharelado em Relações Internacionais
Ajuda com Pesquisar cursos

A disciplina oferece ao aluno no segundo semestre letivo um tema estruturante e relevante para as relações internacionais na perspectiva brasileira. Cada tema é desenvolvido por meio de uma abordagem conceitual e de encontros com profissionais de reconhecido talento e competência que têm se destacado no campo das relações internacionais. A origem institucional diversificada dos expositores convidados permitirá ao aluno o contato com uma diversidade de referências de tempo e valores. Para registro, os temas abordados nos anos anteriores foram: O Brasil e a Cooperação Internacional (2011), O Brasil na América do Sul (2012) e Relações Internacionais nos Estados e Municípios Brasileiros (2013). Relações Internacionais e Empresas Transnacionais (2014).

O curso oferece aos alunos ingressantes no Bacharelado em Relações Internacionais uma introdução à Ciência Política, familiarizando-os com os conceitos fundamentais da disciplina, com ênfase naqueles utilizados em relações internacionais e política comparada. Ao final do curso, os alunos deverão estar habilitados a comentar os conceitos fundamentais apresentados e a relacioná-los a questões contemporâneas em Relações Internacionais.

O curso foi projetado para analisar de forma interdisciplinar o problema do crime organizado transnacional e os desafios das políticas de controle em escala internacional. Serão utilizados modelos econômicos e da criminologia para explorar questões como a organização do crime, o processo de transnacionalização dos mercados ilícitos e do crime, a carreira em organizações criminais e a estrutura e funcionamento dos principais mercados ilícitos globais, entre outros temas que serão abordados no curso. 

 O curso está dividido em duas partes. Em cada parte, vamos destacar uma abordagem específica para a compreensão do processo de expansão do crime organizado e das estratégias públicas de controle e repressão. A primeira questão importante que vamos analisar é a controvérsia sobra a percepção de que o crime organizado transnacional é uma séria ameaça aos países da América Latina. 

O objetivo desse curso é, resumidamente, apresentar os principais modelos interpretativos sobre o crime organizado transnacional e avaliar a magnitude de seu impacto na sociedade e refletir sobre os desafios para a cooperação jurídica internacional em resposta ao problema. Há um forte componente de políticas públicas nas discussões e o programa de seminário, que é parte obrigatória do curso, reforça esse componente aplicado e prático do curso.

A disciplina tem como objetivo complementar a formação em análise de dados do aluno do bacharelado em Relações Internacionais iniciada em Métodos de Pesquisa I. A ênfase de Métodos I é no aprendizado das noções básicas de estatística descritiva e de como realizar um trabalho empírico acadêmico na área de Relações Internacionais. Em Métodos II, o objetivo é usar ferramentas estatísticas mais sofisticadas para realizar inferências e estabelecer relações de causalidade. Ao ser capaz de diferenciar relações de causalidade de meras correlações entre dados, o aluno perceberá como os métodos empíricos de pesquisa são parte fundamental do estudo teórico das disciplinas do bacharelado em Relações Internacionais.
O curso tem como objetivo principal discutir o processo de ascensão das potências emergentes, em particular a China, e seu impacto no sistema político-econômico internacional. Para tanto, o curso compara aquele país, tendo em vista os planos doméstico e internacional, com os processos de ascensão de Brasil, Rússia, Índia, África do Sul, Turquia e Indonésia. Assim, busca-se elucidar as diferenças e semelhanças nas estratégias dessas potências regionais que buscam maior influência no cenário global. Por fim, será analisado o relativo declínio do Ocidente à medida que as potências emergentes tentam consolidar seu crescente poder internacional.

e-Disciplinas - Ambiente de apoio às disciplinas da USP