Bacharelado em Relações Internacionais
Ajuda com Pesquisar cursos
1. Apresentar o processo de integração européia numa perspectiva própria da disciplina das Relações Internacionais, isto é, vinculando-o aos principais “cleavages” do sistema internacional durante a Guerra Fria (Leste-Oeste e Norte-Sul) e à atual dinâmica de globalização. 2. Familiarizar os estudantes com a dinâmica institucional da União Européia 3. Proporcionar elementos de reflexão sobre as políticas comunitárias, com especial atenção aos seus efeitos sobre a ordem internacional em geral e os países em desenvolvimento em particular, com foco específico nas relações entre a União Européia e os Estados Unidos, a União Européia e a China e a União Européia e a América do Sul.
O curso tem por objetivo apresentar uma introdução aos estudos de Análise de Política Externa (APE). O curso está estruturado em função das principais abordagens analíticas e metodológicas da área, seguindo as principais variáveis explicativas para o comportamento internacional de um Estado. Serão apresentados ainda processos substantivos, casos e comparações que tenham sido analisados por meio dessas abordagens, ofertando panorama amplo acerca da disciplina na área de relações internacionais.
A disciplina visa apresentar aos alunos do curso de Relações Internacionais os principais conceitos e modelos básicos de comércio internacional. A primeira parte do curso será dedicada ao estudo da teoria do comércio internacional que busca responder as questões como (i) por que os países comercializam entre si? (ii) o que explica o fato de alguns países exportarem calçados enquanto outros exportam computadores? (iii) as exportações de soja podem ser explicadas do mesmo modo que as exportações de aviões? e (iv) quem ganha e quem perde com o comércio internacional? A segunda parte do curso tem como objetivo apresentar as mais relevantes discussões teóricas da política comercial como (i) em que situação um país ganha ao proteger seus produtores da concorrência internacional? (ii) quais os custos e benefícios do uso de instrumentos de política comercial? e (iii) quais são os argumentos a favor e contra o livre comércio? Também tem como objetivo discutir temas e eventos recentes relacionados à implementação de políticas comerciais pelos diversos países, em especial os países em desenvolvimento.
Para enfrentar uma variedade de desafios transfronteiriços, como epidemias, fome e degradação ambiental a governança global é mais necessária do que nunca. Este curso fornecerá compreensão introdutória dos processos-chave e os desafios da governança global. Nós vamos aprender mais sobre a evolução do conceito de governança global, traçar a evolução do sistema internacional desde o último século e lançar luz sobre as atuais transformações em curso no sistema global. Em três estudos de caso particularmente dedicados aos desafios atuais de desenvolvimento, como a saúde, a segurança alimentar e as mudanças climáticas o/a estudante obterá uma melhor compreensão de como a governança global funciona na prática e como os atores globais tentam enfrentar os desafios transfronteiriços que não só ameaçam a estabilidade e segurança de muitos estados, mas também colocam em perigo o nosso próprio estilo de vida pessoal. No final, o/a estudante também será familiarizado/a com idéias de como melhorar as estruturas e processos da governança global existente.
A disciplina tem como objetivo apresentar aos alunos uma introdução aos estudos empíricos relacionados com as grandes áreas do curso de bacharelado em Relações Internacionais. Além de apresentar os conceitos estatísticos necessários para uma análise descritiva dos dados, a disciplina tem como principal motivador a análise de dados de economia, história e política comparada em laboratório de informática usando como ferramenta o software Excel.
O curso visa a apresentar o estado da arte do debate sobre Regimes & Organizações Internacionais no campo das relações internacionais. Esta apresentação será feita em dois níveis: i. no plano teórico e conceitual - teoria de regimes internacionais; e ii. no plano organizacional, funcional e político, em que se analisa o papel das organizações internacional nas relações internacionais contemporâneas e os aspectos organizacionais, funcionais e políticos das principais organizações.
A disciplina tem por objetivo oferecer ao aluno um elenco abrangente de áreas de aplicação dos conhecimentos de relações internacionais. Estas áreas incluem, além da diplomacia e do comércio exterior, as negociações internacionais, as empresas multinacionais, a pesquisa científica e tecnológica, o sindicalismo e os movimentos sociais, as organizações não governamentais, a política partidária, os meios de comunicação e a cultura no sentido amplo. Além disso, a disciplina \"Seminários de Relações Internacionais\" foi estruturada com o objetivo de induzir o aluno a pensar na atividade de um internacionalista e no seu projeto de vida como cidadão e profissional. Como cidadão, acompanhando com maior profundidade e posicionando-se criticamente quanto à evolução da relações internacionais. A percepção de um mesmo fato sob perspectivas distintas, às vezes opostas, desenvolve este posicionamento crítico. Como futuro profissional identificando, no convívio com o outro, suas próprias habilidades e atitudes a serem valorizadas, assim como as competências a serem desenvolvidas à luz de sua visão de futuro.
Familiarizar os estudantes com temas, paradigmas e autores centrais na produção acadêmica contemporânea em relações internacionais.

e-Disciplinas - Ambiente de apoio às disciplinas da USP