Atividade em sala

Em aulas anteriores, vimos que podemos investigar o processo evolutivo realizando modelagem teórica (o estudo da evolução obstétrica), fazendo interpretações dos efeitos de deriva e seleção em grandes escalas de tempo (o estudo da complexidade genômica). Hoje, analisando o paper de Blount e colaboradores, trazemos o estudo da evolução para dentro do laboratório, acompanhando a mudança fenotípica numa linhagem de E. coli.

Parte 1.  Tirando dúvidas do texto e o panorama geral. Após 20 minutos de trabalho em grupo, vamos discutir a questão abaixo e revisar o conjunto de figuras do artigo.

1. O trabalho de Blount e colaboradores causou impacto na comunidade científica, tendo sido citado mais de 400 vezes desde sua publicação. Tendo esclarecido os principais pontos do artigo, do ponto de vista metodológico, vamos identificar qual o aspecto do estudo torna-o original. Deixe claro como você resumiria, em suas palavras, os principais achados do artigo, e a sua contribuição original para o campo. Qual questão biológica você vê como tendo sido respondida de modo convincente? Quais permanecem em aberto?

Parte 2. Vamos discutir as duas questões conceituais abaixa, que tratam de implicações do estudo.

2. A origem de adaptações biológicas representa um desafio para evolucionistas. Uma crítica recorrente, feita por criacionistas, é que adaptações muitas vezes são traços complexos (o olho, o sistema envolvendo muitas enzimas que promove a coagulação, a maquinaria bioquímica de metabolismo via citrato). Isso serve como ponto de partida para o argumento de que estruturas complexas não podem ser moldadas pela seleção natural, pois são "irredutivelmente complexas". A ideia da complexidade irredutível é que um olho completo é uma estrutura útil, mas para chegar nele precisamos de um "meio olho", ou um olho intermediário. Mas essa estrutura intermediária não parece ser útil, então não poderia ter sido produzida pela seleção natural. Assim, não poderíamos explicar a origem de um traço pela ação cumulativa da seleção natural. Como você responderia a essa crítica?

3. O estudo feito pelo grupo de Richard Lenski leva a evolução ao laboratório. Comente sobre como seu grupo vê o potencial da abordagem em laboratório reponder a questões evolutivas que dificilmente seriam abordadas sem o contexto experimental. Pondere também limitações dessa abordagem, comentando de que forma os achado feitos não necessariamente resolvem questões evolutivas em aberto.



Última atualização: segunda, 18 nov 2019, 08:37

e-Disciplinas - Ambiente de apoio às disciplinas da USP