Programa Detalhado

Objetivos

Analisar o impacto das redes de comunicação nas relações entre público e privado a partir do fim do século 20, compreendendo a arquitetura como uma das interfaces privilegiadas do século 21. Mapear e discutir, para tanto, novos materiais e novas soluções estéticas. Problematizar as dimensões políticas e as esferas de controle e vigilância que se abre com os territórios informacionais.

Programa Resumido

A disciplina investiga a história recente das relações entre design e edifício, interrogando as formas e as diferentes proposições de espaço urbano decorrentes da emergência e popularização das telecomunicações contemporâneas. Os territórios imateriais criados pelas redes configuram novas formas de viver e circular em espaços “inteligentes” que reagem à presença de seus ocupantes (transitórios e fixos) e postulam formas inéditas de participação e controle político. Esses novos territórios enunciam uma antropologia do ambiente edificado, pautada pelo entrecruzamento de suas matrizes materiais e digitais (contextos cíbridos), que implicam novos problemas e desafios nas intersecções entre a arte, a arquitetura e o design.

Programa

1) Conectividade e novas dimensões do espaço arquitetônico
2) Conectividade e subjetividades emergentes
3) Relações entre espaço público e privado 
4) Zonas Autônomas Temporárias: os novos ativismos
5) Cidade informacional e edifícios interativos
6) Arte, arquitetura e design na era da matéria programável

Avaliação

Trabalho em grupo 50%) Desenvolvimento do projeto (50%)

 Norma de Recuperação

Terão direito a recuperação, todos os alunos que obtiverem nota mínima 3,0 (três) e freqüência mínima de 70%, de acordo com as normas vigentes.

Bibliografia

BEIGUELMAN, Giselle e LA FERLA, Jorge (orgs.) Nomadismos Tecnológicos. São Paulo: Senac, 2011.
BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, modos de ser:
vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulinas, 2013.
BEY, Hakim. TAZ – Zona Autônoma Temporária. São Paulo, Conrad, 2001
CASTELLS, Manuel – The Informational City. Londres: Blackwell, 1989.
COLOMINA, Beatriz. Privacy and Publicity – Modern Architecture as Mass Media. MIT Press, Cambridge/ Mass, 1996
CRITICAL ART ENSEMBLE. Digital Resistance - Explorations in Tactical Media. Nova York, Autonomedia, 2001.
DEBORD , G. A Sociedade do espetáculo. São Paulo, Contraponto. 1988
DUARTE, Fábio – A crise das matrizes espaciais. São Paulo: Perspectiva, 2002. ISBN – 85-273-0307-8
FOSTER, Hal. Design and Crime (and other diatribes). Nova York: Verso, 2002.
GALLOWAY, Alexander. Protocol: How Control Exists after Decentralization, Cambridge /Mass., MIT Press, 2004
JOHNSON, Steven. Emergência. São Paulo, Jorge Zahar, 2003.
LEMOS, Andre. Cibercultura. Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. Ed. Sulina, Porto Alegre, 2004.
MIESSEN, Markus. Crossbenching. Toward Participation as Critical Spatial Practice. Berlin: Sternberg Press, 2016.
MITCHELL, William J. Me++ The Cyborg Self and the Networked City. Cambridge/Mass.: MIT Press, 2003.
Seminários Internacionais Museu Vale (8:2013, Vila Velha, ES) Cyber-Arte-Cultura: A Trama das Redes. Organização: Fernando Pessoa, Vila Velha, ES Museu Vale; Rio de Janeiro: Suzy Muniz Produções, 2013
TERRANOVA, Tiziana – Network Culture: Politics of the Information Age. Londres: Pluto Press, 2004



Última atualização: segunda, 5 mar 2018, 14:50