Pirâmide de Quéfren e Esfinge de Gizé

Pirâmide de Quéfren é uma pirâmide egípcia que tem 143 metros de altura. A estrutura é parte da Necrópole de Gizé e suas paredes erguem-se menos íngremes que as da grande Pirâmide de Quéops. O faraó Quéfren era filho do faraó Quéops e quarto rei da IV dinastia, ele reinou entre 2520 e 2494 a.C, ordenou que fosse construída sua pirâmide que hoje é, em tamanho, a segunda maior pirâmide do Antigo Egito.

A pirâmide provavelmente foi aberta e roubada durante o Primeiro Período Intermediário. Durante a XVIII dinastia egípcia, o superintendente de construção de templos tirou pedras da estrutura para construir um templo em Heliópolis por ordem de Ramsés II. O historiador árabe ibne Abdal Salam registrou que a pirâmide foi aberta em 1372. Na parede da câmara funerária, há um grafite árabe que provavelmente data do mesmo período.

Não se sabe quando as pedras da pirâmide foram roubadas; entretanto, presumivelmente ainda estavam no lugar por volta de 1646, quando John Greaves, professor da astronomia na Universidade de Oxford, escreveu em seu Pyramidographia que, apesar de suas pedras não serem tão grandes ou tão regularmente colocadas como as de Khufu, a superfície era suave e até mesmo livre de violações de desigualdades, exceto na face sul.[6]

Ela foi primeiramente explorada nos tempos modernos por Giovanni Belzoni em 2 de março de 1818, quando a entrada original foi encontrada no lado norte da pirâmide e a câmara funerária foi visitada. Belzoni tinha esperanças de encontrar uma tumba intacta. No entanto, a câmara estava vazia, exceto por um sarcófago aberto e sua tampa quebrada no chão.

A primeira exploração completa foi conduzida por John Perring em 1837. Em 1853, Auguste Mariette escavou parcialmente o templo do vale de Quéfren, e, em 1858, ao terminar sua pesquisa, conseguiu descobrir uma estátua do diorito.

Assim como a Grande Pirâmide, um afloramento de rochas foi usado no núcleo. Devido à inclinação do planalto de Gizé, o canto noroeste foi cortado 10 m para fora do subsolo rochoso e o canto sudeste foi construído.

A pirâmide é construída de cursos horizontais de pedras. As pedras usadas no fundo são muito grandes, mas à medida que a pirâmide sobe, as pedras se tornam menores, ficando apenas 50 cm de espessura no ápice. Os cursos são ásperos e irregulares para a primeira metade de sua altura mas uma faixa estreita da alvenaria regular é desobstruída no meio da pirâmide. No canto noroeste da pirâmide, o leito rochoso era formado em degraus. Pedras de revestimento cobrem o terço superior da pirâmide, mas o pyramidion e parte do ápice estão faltando.

O curso inferior das pedras do revestimento foi feito de granito rosa, mas o restante da pirâmide foi encaixotado em pedra calcária. Um exame cuidadoso revelou que as arestas de canto das pedras restantes não são completamente retas, mas são escalonadas por alguns milímetros. Uma teoria é que isto é devido ao estabelecimento da atividade sísmica. Uma teoria alternativa postula que a inclinação dos blocos foi cortada nesta forma antes de ser colocada devido ao espaço de trabalho limitado em direção ao topo da pirâmide.

Duas entradas levam à câmara funerária, uma que abre 11,54 m acima da face da pirâmide e uma que se abre na base da pirâmide. Estas passagens não se alinham com a linha central da pirâmide, mas são deslocadas para o leste por 12 m. A passagem descendente inferior é esculpida completamente fora do rochedo, descendo horizontalmente, então ascendendo para juntar a passagem horizontal que conduz à câmara funerária.

Existe uma câmara subsidiária, de comprimento igual ao da Câmara do Rei da Pirâmide Khufu, que se abre para o oeste da passagem inferior, cujo propósito é incerto e pode ser usado para armazenar ou pode ser uma câmara de serdab. A passagem descendente superior é revestida em granito e desce para se juntar com a passagem horizontal para a tumba.

A câmara funerária foi esculpida em um poço no leito rochoso. O telhado é construído de vigas de pedra calcária. A câmara é retangular, 14,15 m por 5 m e é orientada no sentido leste-oeste. O sarcófago de Quéfren foi esculpido em um sólido bloco de granito e afundado parcialmente no chão, onde Belzoni encontrou ossos de um animal, possivelmente um touro. Outro poço no chão provavelmente continha uma arca canópica, cuja tampa teria sido uma das lajes do pavimento.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Pir%C3%A2mide_de_Qu%C3%A9fren

-----o-----

Grande Esfinge de Gizé (em árabeأبو الهولAbu al-Haul), comumente referida apenas como Esfinge, é uma estátua da pedra calcária que representa uma esfinge (uma criatura mítica com corpo de leão e uma cabeça humana) localizada no planalto de Gizé, na margem oeste do rio Nilo, em GizéEgito. O rosto do monumento é geralmente considerado como uma representação do rosto do faraó Quéfren.

É a maior estátua feita de monólito no mundo, com 73,5 metros de comprimento, 19,3 metros de largura e 20,22 m de altura. É a mais antiga escultura monumental conhecida e é comumente tida como uma obra construída por egípcios antigos do reino velho Império Antigo durante o reinado do faraó Quéfren (c. 2.558-2.532 aC).

Não se tem certeza qual seria o nome usado pelos antigos egípcios para designar a estátua. A palavra "esfinge" foi dada já na Antiguidade clássica baseando-se numa criatura da mitologia grega formada pelo corpo de um leão, a cabeça de uma mulher e asas de águia, embora as estátuas egípcias tenham a cabeça de um homem. A palavra "esfinge" deriva do grego σφινξ, aparentemente do verbo σφινγω, que significa "estrangular", já que a esfinge da mitologia grega estrangulava todos que não conseguissem decifrar suas charadas.

A Grande Esfinge é uma das maiores e mais antigas esculturas do mundo, porém alguns fatos sobre sua identidade e construção são ainda debatidos, como a data exata de sua construção e a identidade de seu construtor. Além disso, o propósito de sua construção também não é um consenso entre os especialistas, mas a maioria credita como um monumento monárquico. Este grande aglomerado de informações em desencontro geraram a visão popular dos "Enigmas da Esfinge".

Embora tenha havido evidências conflitantes ao longo dos anos, o ponto de vista defendido pela egiptologia moderna em geral é que a Grande Esfinge foi construída em cerca de 2500 a.C. para o faraó Quéfren, o construtor da Segunda Pirâmide de Gizé.

Após o Complexo de Gizé ter sido abandonado, a Esfinge ficou enterrada até seus ombros pela areia do deserto. A primeira tentativa documentada de uma escavação data de c. 1400 aC, quando o jovem Tutmés IV (1401-1391 ou 1397-1388 aC) reuniu uma equipe e, depois de muito esforço, conseguiu desenterrar as patas dianteiras, entre as quais ele colocou uma placa de granito, conhecida como o Estela do Sonho. Mais tarde, Ramsés II, o Grande (1279-1213 aC) pode ter tentado levar adiante uma segunda escavação.

O egiptólogo Mark Lehner inicialmente afirmou que não houve uma tentativa de restauração durante o Império Antigo (c. 2686-2184 aC), embora ele tenha posteriormente se retratado.

No ano de 1817, a primeira escavação arqueológica moderna, supervisionada pelo capitão italiano Giovanni Battista Caviglia, desenterrou o peito da Esfinge completamente. Todo o monumento foi finalmente escavado entre 1925 e 1936, durante escavações lideradas por Émile Baraize. Em 1931, engenheiros do governo egípcio repararam a cabeça da estátua, porque parte tinha caído em 1926 devido à erosão, que também tinha criado profundas rachaduras em seu pescoço.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_Esfinge_de_Giz%C3%A9







Última atualização: quarta, 26 jul 2017, 11:50

e-Disciplinas - Ambiente de apoio às disciplinas da USP